27 de mar de 2011

Bombeiros receiam redução de meios de combate a incêndios

  • A Liga dos Bombeiros Portugueses considerou este domingo haver  « razões para preocupação »  com a época de fogos deste ano, devido à redução de meios de combate aos incêndios, resultante da crise.

Segundo o vice-presidente da LBP, Rui Silva, que discursou na cerimónia de celebração do 125. º aniversário do corpo de voluntários de Viseu, espera-se um Verão «muito quente» e por isso o corte nos meios de combate às chamas é preocupante.


O presidente da Autoridade Nacional de Protecção Civil, o general Arnaldo Cruz, apontou que os cortes situam-se nos 20 por cento, e incide sobretudo nos meios aéreos. No entanto, considerou existirem condições eficazes de combate aos fogos este ano.


«Estamos a equacionar um dispositivo igualmente capaz mas eventualmente mais flexível. Quando não houver meios aéreos em sítios onde estariam previstos, encontraremos forma de aí colocar equipas terrestres de resposta imediata»,
Redacção e reportagem: http://www.abola.pt/mundos/

22 de mar de 2011

Paraíba: Bombeiros buscam corpo de garoto

 Menino de 5 anos e a irmã, de 9 anos, foram arrastados por águas do Rio Sanhauá. Menina foi localizada sem vida
Equipe está de prontidão na área durante todo o dia fazendo buscas.

Foto: Alessandro Assunção/ON/D.A Press

O Batalhão de Busca e Salvamento (BBS) do Corpo de Bombeiros Militar da Paraíba continua a operação de busca pelo corpo de um menino de cinco anos de idade, que foi levado pela correnteza do Rio Sanhauá, no braço de maré conhecido como Pitombeira, próximo à praia de Lucena, no Litoral Norte da Paraíba, no domingo passado. O corpo da irmã do garoto, de 9 anos, foi encontrado por alguns pescadores no início da manhã de ontem, numa região conhecida como Livramento.

A operação de busca pelo Rio Sanhauá está sendo comandada pela Tenente Cecília de Lima, que vem acompanhando via rádio o trabalho dos militares que estão na embarcação do Corpo de Bombeiros. Apesar de o corpo de Valéria ter sido encontrado numa área mais próxima ao município de Lucena, a equipe refez na manhã de ontem o trajeto realizado pela família e amigos das crianças, que sumiram na tarde de domingo.

O pedreiro Valdemar Luiz dos Santos, de 63 anos, foi para a Pitombeira no mesmo barco que as crianças, mas contou que não estava no banco de areia quando a maré subiu e as crianças foram levadas pela força das águas. "Eu fui com Camila (mãe das vítimas) e outras pessoas para buscar manga num terreno de um sítio, enquanto Elias e Valéria ficaram com um amigo nosso, Manoel, e sua filha, sentados debaixo de um pé de cajú", relatou.

"Quando voltamos, um homem que ia passando pelo local contou que conseguiu socorrer duas pessoas, mas que as crianças mais novas tinham sido levadas pela maré, que subiu rapidamente. Foi uma tristeza só. Não havia sinais dos meninos por perto", contou.

O trabalho de resgate do Batalhão de Busca e Salvamento precisou ser suspenso à noite por causa da maré, que estava muito cheia. As buscas foram retomadas na manhã de ontem, quando o corpo de Valéria foi encontrado pelos pescadores e encaminhado para o Porto de Livramento.
 

21 de mar de 2011

Festival & Surf "Pororoca"


O Corpo de Bombeiros enviou um grupamento especial ao município de São Domingos do Capim. A equipe, composta por um motorista, um condutor de lancha, quatro mergulhadores, dois socorristas e treze guarda-vidas, montou posto desde a última quinta-feira, 17, para acompanhar a programação do Surf na Pororoca. Segundo o Tenente Lameira, que coordena o efetivo, o grupo atuará tanto preventivamente, em manobras de isolamento da orla do rio Capim, como em ações de resgate, nos casos de acidentes, e atendimento pré-hospitalar.
Para isso, uma ambulância do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu 192) foi disponibilizada pela prefeitura do município. "Temos uma lancha para dar apoio aos barcos que farão a cobertura do evento e que servirá também para o resgate de pessoas, em caso de acidentes. Na orla, vamos trabalhar com a prevenção, por meio dos salva-vidas, e vamos fazer o isolamento da área numa distância de até 3 metros, garantindo a segurança do público que for acompanhar o evento. Teremos, ainda, dois socorristas que ficarão a postos na ambulância do Samu para prestar atendimento pré-hospitalar", relatou.

O Departamento de Trânsito do Pará (Detran) também já reforçou o efetivo no município, com o deslocamento de 20 agentes de trânsito de Belém e da Regional de Castanhal. Eles se dividirão em dois grupos de 10 homens, cada, que atuarão na fiscalização e na educação de trânsito. "Atuaremos em duas frentes de orientação: em segurança, quanto ao uso de equipamentos como o capacete e o cinto de segurança, e à superlotação no transporte de passageiros, e de orientação do tráfego, que se intensifica nesse período em função do evento", descreve o agente de trânsito João Oliveira, do Detran. Na ilha do Tóio, onde a imprensa se concentrará para cobrir a competição, os agentes ficarão responsáveis pela orientação do fluxo de veículos.

A cidade toda vive um clima de expectativa na véspera do início das competições do 12º Festival e Surf na Pororoca. O evento já tem projeção nacional e é a referência que torna mais conhecido o município de São Domingos do Capim, cuja economia sobrevive quase que exclusivamente da cultura da mandioca.

Entre os que aguardam o início das ondas da Pororoca, está o surfista carioca João Mobílio, 38 anos, que pertence à Associação dos Surfistas e Amigos da Prainha (reserva ecológica na zona oeste do Rio de Janeiro). Ele, que é comissário de bordo e surfista amador (pega onda desde os 12 anos), diz que a expectativa é grande para ver as ondas de rio. "Agora não dá para ver nenhuma pororoca, mas espero que a natureza nos surpreenda. Apesar de ser um surfista amador, espero conseguir algum título", revelou.

Nesta sexta-feira, 18, será aberto à visitação o Galpão do Agricultor, que abriga estandes com iguarias e trabalhos artesanais produzidos no município, além de uma exposição com pranchas e imagens sobre a história do Surf na Pororoca, organizada pela Associação Brasileira de Surf na Pororoca (Abraspo). À noite acontece a abertura oficial do evento, na Arena da Pororoca, montada na orla da cidade. No entanto, prevendo a ocorrência de chuvas, o que é muito comum nesta época do ano, a organização reservou espaço para a solenidade no Ginásio Anderson Luis, onde também ocorre o Pororoca Fight, luta que reúne vários estilos.

No sábado, 19, pela manhã, acontece o torneio de canoagem, na orla da cidade, e a concentração dos surfistas em frente ao Banco do Brasil, ponto de concentração dos paticipantes do campeonato e de onde o grupo partirá de lancha rumo à pororoca. "A uns 800 metros abaixo da ilha do Tóio, no rio Capim, os surfistas desembarcarão para aguardar as tão esperadas ondas", explica o assessor de comunicação da prefeitura de São Domingos do Capim, Sérgio Batista.

Rosa Borges/Secom

Fonte: http://www.agenciapara.com.br/

Bombeiros registram quatro incêndios em Maringá e região

O Corpo de Bombeiros registrou pelo menos quatro incêndios em Maringá e região neste domingo (20). Além da ocorrência no Jardim Alvorada, onde um depósito de materiais recicláveis foi consumido pelas chamas, os bombeiros atenderam outros três incêndios na região.

Uma residência pegou fogo no município de Nova Esperança, a 45 quilômetros de Maringá. O incêndio começou por volta das 00h49 da madrugada deste domingo (20). O fogo se alastrou pela edificação que fica nas proximidades do Supermercado Gazola, no centro da cidade. Os bombeiros foram chamados e controlaram o incêndio.
Outro incêndio aconteceu ainda de madrugada em uma casa na Vila Operária, em Maringá, nas proximidades da Avenida Laguna. O chamado foi as 3h53, a energia elétrica da edificação foi cortada e o fogo, controlado.
Antes de amanhecer outro incêndio mobilizou os bombeiros, desta vez em na cidade de Campo Mourão, a 92 km de Maringá. O chamado aconteceu por volta das 5h10 da madrugada deste domingo (20), em uma área próxima ao CAIC do Jardim Francisco Ferreira Albuquerque.

Fonte: http://maringa.odiario.com/

20 de mar de 2011

Fogo em favela da região central de SP é extinto

Segundo Corpo de Bombeiros, não houve vítimas.

O Corpo de Bombeiros informou por volta das 20h20 deste domingo (20) que extinguiu o incêndio em uma favela localizada nos Campos Elíseos, na região central da cidade. Não houve vítimas.
O Corpo de Bombeiros foi acionado por volta das 8h30 para combate a um incêndio em barracos.
Imagens áereas mostraram pessoas correndo e uma densa fumaça perto dos carros de emergência. Segundo o Corpo de Bombeiros, 12 equipes foram enviadas para o local. Às 20h20, duas delas permaneciam para rescaldo.

Fonte de Informações: Do G1 SP

Bombeiros buscam piloto desaparecido

Avião monomotor caiu no sábado (19) no Tietê, na região de Buritama

O Corpo de Bombeiros busca o piloto de um avião monomotor que caiu no sábado (19) na região de Buritama, município a 531 km de São Paulo. De acordo com os bombeiros de Birigui, cidade vizinha, cerca de oito homens trabalham no resgate na manhã deste domingo (20).
Os destroços da aeronave foram encontrados por pescadores que estavam no rio Tietê. As causas do acidente ainda são desconhecidas. Neste domingo, a equipe de busca vai usar equipamentos de mergulho para tentar encontrar o piloto.

Segundo a polícia, apenas apenas o piloto estava a bordo. Ele saiu de José Bonifácio com destino a Birigui.

Reportagem: Do R7

Mais de 100 policiais militares voluntários ajudam as vítimas das chuvas no litoral.

Dentre os 450 bombeiros e policiais militares que estão auxiliando as vítimas das chuvas no Litoral paranaense, mais de 100 são voluntários. Eles já haviam trabalhado durante três meses na Operação Viva o Verão e quando foram liberados, no último dia 11, imediatamente se colocaram à disposição das equipes públicas de socorro.
“Não temos apenas que agradecer, mas enaltecer e elogiar estes policiais militares que já estavam há três meses longe de suas famílias e se ofereceram para trabalhar no resgate das vítimas em Paranaguá, Antonina, Morretes e Guaratuba”, destaca o comandante geral da PM, coronel Marcos Teodoro Scheremeta.
Para Scheremeta, “graças ao trabalho conjunto dos vários órgãos públicos que integram o gabinete de emergência formado por iniciativa do governador Beto Richa, dos policiais voluntários e da comunidade, a situação está sendo controlada. “Se não fosse este trabalho coordenado, e em parceria, poderíamos ter mais vítimas. Somente na quinta-feira (17) foram evacuadas 25 casas e 74 pessoas”, disse.
Além do atendimento às vítimas das chuvas, a PM também reforçou o policiamento para evitar saques nas residências que foram deixadas pelos moradores. “Também estamos escoltando os veículos com as doações e fiscalizamos a entrega dos donativos para que os desabrigados e desalojados recebam o mais rápido possível”, diz o comandante da PM.
A Polícia Militar, em conjunto com o Procon, está fiscalizando os estabelecimentos comerciais e orientando os lojistas. “Detectamos alguns abusos por parte de comerciantes que estavam cobrando preço exagerado na venda de galões de água e outros produtos. Fizemos um trabalho de esclarecimento e conseguimos coibir o crime. Vender um produto fora de um preço limite caracteriza crime contra o a economia popular e o responsável responde criminalmente, podendo pegar pena de dois a dez anos de reclusão”,diz Scheremeta.

A Polícia Militar está trabalhando com efetivos da Polícia Rodoviária Estadual, Polícia Ambiental, 9º Batalhão (Ostensivo Geral), apoiando o Corpo de Bombeiros (guarda-vidas e Defesa Civil) e Grupamento Aéreo. São três helicópteros e dezenas de viaturas.

19 de mar de 2011

Dengue: Situação ainda preocupa no Norte, Nordeste e Sul

               Balanço divulgado nesta sexta-feira pelo Ministério da Saúde indica que o número de casos de dengue registrados até o dia 26 de fevereiro deste ano caiu 37% em relação ao mesmo período do ano passado, com um total de 155.613 notificações (casos suspeitos) em todo o país.


               A situação, entretanto, ainda é de atenção nas regiões Norte, Nordeste e Sul. O ministério pede para que os cuidados preventivos sejam intensificados, uma vez que o período de chuvas ainda não acabou em muitos Estados.

              Nos dois primeiros meses do ano, foram confirmadas 51 mortes em decorrência da degue no país. De acordo como o balanço, 79 casos foram descartados e 112 ainda estão em investigação.
           
              As mortes confirmadas ocorreram no Acre, no Amazonas, no Pará, no Maranhão, no Ceará, em Pernambuco, em Alagoas, na Bahia, em Minas Gerais, no Espírito Santo, no Rio de Janeiro, em São Paulo, no Paraná, em Mato Grosso e em Goiás.

              O Norte concentra 31,6% do total de casos suspeitos, com 49.101 notificações. Em seguida, estão as regiões Sudeste (27% e 42.092 casos), Nordeste (18,4% e 28.653 notificações), Centro-Oeste (12,3% e 19.066 casos) e Sul (10,7% e 16.701 casos). A maior parte dos casos (53%) foi notificada em cinco Estados: Amazonas, Acre, Paraná, Rio de Janeiro e Minas Gerais.

             De janeiro a fevereiro de 2011, dois Estados apresentaram alta incidência da doença, nove Estados registraram média incidência e 16, baixa incidência. O ministério considera como incidência alta o registro de mais 300 casos por 100 mil habitantes; como média quando há entre 100 e 300 casos por 100 mil habitantes; e como baixa quando há até 100 casos por 100 mil habitantes.
            
             Dados da Secretaria de Vigilância em Saúde mostram que o sorotipo 1 é o que mais tem infectado os brasileiros. O vírus não circulava no país desde a década de 80, o que fez com que milhões de brasileiros não apresentassem imunidade contra ele.

             Das 1.856 amostras de sangue de pacientes com sintomas da doença que foram submetidas ao processo de isolamento viral, 335 deram positivo para a dengue e houve a detecção do sorotipo 1 em 81,8% delas. O sorotipo 2 apareceu em 11% dos resultados positivos, o sorotipo 4 em 5,4% (apenas nos estados de Roraima, Amazonas e Pará) e o sorotipo 3 em 1,8%.

            * Do total de notificações registrados em todo o país até fevereiro deste ano, 2.365 são casos graves. Até o momento, 471 foram confirmados, 60 foram descartados e 1.117 permanecem em investigação.
  • A maior parte dos casos graves suspeitos foi registrada no Sudeste, que somou 1.126 notificações (47,6% do total), sendo a maioria no Rio de Janeiro (762).
  • Em seguida vem a região Norte, com 30% dos casos graves suspeitos em todo o país. O Amazonas e o Pará tiveram, respectivamente, 438 e 195 notificações.
  • No Nordeste, foram registrados 15,8% do total dos casos graves, sendo 116 em Pernambuco, 109 no Ceará e 74 no Rio Grande do Norte.
  • O Centro-Oeste responde por 5% dos registros – a maioria em Mato Grosso e Goiás (54 notificações cada). No Sul, só houve registros de casos graves no Paraná (39 casos).
Redação, com ABr - de Brasília

17 de mar de 2011

Desastre nuclear traz riscos mortais

 


  Técnicos checam nível de radioatividade em moradores perto de usina  

Após uma terceira explosão em um de seus reatores nucleares, a usina da Fukushima Daiichi, no Japão, começou a deixar escapar radiação em níveis que se aproximam do preocupante, alertaram nesta terça-feira as autoridades japonesas. Os vazamentos são risco para a saúde no Japão e nos países vizinhos.

Qual é a escala do vazamento de material radioativo?
O governo japonês afirmou que os níveis de radiação após as explosões na usina de Fukushima podem afetar a saúde humana. Foram detectados níveis de radiação mais altos ao sul da instalação. Moradores que vivem em um raio de 30 km da usina foram aconselhados a deixar suas residências ou permanecer em casa a portas fechadas para evitar exposição. Em Tóquio, os níveis estariam acima do normal, mas sem apresentar riscos à saúde. Na segunda-feira, as autoridades em Fukushima haviam informado que 190 pessoas foram expostas a radiação e um navio militar americano, o porta-aviões USS Ronald Reagan, havia detectado baixos níveis de radiação a uma distância de 160 km da usina de Fukushima.

O vazamento pode se espalhar para os países vizinhos? 
A Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) descreveu o vazamento como um evento de nível quatro em uma escala internacional, o que significa um incidente “com consequências locais”. Na Rússia, por exemplo, não foram detectados níveis anormais de radiação e por ora o problema não representa um problema para outras partes do mundo.

Que tipo de material radioativo escapou?
 As informações são de que houve vazamento de isótopos de césio e iodo nas redondezas da usina. Especialistas dizem que seria natural haver também um escape de isótopos de nitrogênio e argônio. Mas não há evidências de que tenham escapado plutônio ou urânio.

Qual é o risco destas substâncias radioativas para a saúde?
Em um primeiro momento, a exposição a níveis moderados de radiação pode resultar em náusea, vômito, diarreia, dor de cabeça e febre. Em altos níveis, essa exposição pode incluir também danos possivelmente fatais aos órgãos internos do corpo. No longo prazo, o maior risco do iodo radioativo é o câncer, e as crianças são potencialmente mais vulneráveis. A explicação para isso é que, nas crianças, as células estão se multiplicando e reproduzindo mais rapidamente os efeitos da radiação. O desastre de Chernobyl, em 1986, resultou em um aumento de casos de câncer de tireóide (região em que o iodo radioativo absorvido pelo corpo tende a se concentrar) na população infantil da vizinhança da usina.

Há prevenção e tratamento?
Sim, é possível prevenir o problema com pastilhas de iodo não-radioativo, porque o corpo não absorve iodo da atmosfera se já estiver “satisfeito” com todo o iodo de que necessita. Especialistas dizem que a dieta dos japoneses já é rica em iodo, o que ajuda na prevenção. Césio, urânio e plutônio radioativos são prejudiciais, mas não atacam nenhum órgão do corpo em particular. O nitrogênio radioativo se dissipa em segundos após a sua liberação, e o argônio não apresenta riscos para a saúde.

Como se deu o vazamento do material radioativo?
A usina de Fukushima teve problemas com o sistema de resfriamento de seus reatores, que superaqueceram. A produção de vapor gerou um acúmulo de pressão dentro do reator e a consequente liberação de pequenas quantidades de vapor. Para especialistas, a presença de vapores de césio e iodo – que resultam do processo de fissão nuclear – sugere que o invólucro de metal que guarda alguns dos bastões de combustível pode ter se quebrado ou fundido. Mas o combustível de urânio em si tem um altíssimo ponto de fusão e é improvável que tenha se liquefeito, e ainda mais improvável que tenha se convertido em vapor.

De que outras formas pode haver vazamento?
 Como plano de contingência, os técnicos estão usando água do mar para resfriar os reatores. Na passagem pelo reator, esta água é contaminada. Ainda não está claro se o líquido ou parte dele foi liberado na natureza.

Quanto tempo vai durar a contaminação?
O iodo radioativo se dissipa rapidamente e a estimativa é de que a maior parte terá se dissipado em um mês. O césio radioativo não permanece no corpo por muito tempo – a maior parte terá saído em um ano. Entretanto, a substância fica no ambiente e pode continuar a representar um risco por muitos anos.
Pode haver um desastre nos moldes de Chernobyl?
Especialistas dizem que essa possibilidade é improvável. As explosões ocorreram do lado de fora do compartimento de aço e concreto que envolve os reatores, que aparentemente permanecem sólidos. Foram danificados apenas o teto e os muros erigidos ao redor dos compartimentos de proteção. No caso de Chernobyl, a explosão expôs o núcleo do reator ao ar. Por vários dias, seguiu-se um incêndio que lançou na atmosfera nuvens de fumaça carregadas de conteúdo radioativo.

Pode haver uma explosão nuclear?
Não. Uma bomba nuclear e um reator nuclear são coisas diferentes.

16 de mar de 2011

Salva Surf 2011 - Maresias

  Projeto Salva Surf
(Maresias - 2011)





Mantecorp: Sempre apoiando os projetos dos Guarda-Vidas

Parabéns à todos pelo lindo trabalho!

1 de mar de 2011

Corpo de Bombeiros apresenta plano de ações para o Carnaval 2011

Representantes do Corpo de Bombeiros, Polícia Militar e Polícia Civil apresentaram na manhã desta terça-feira (1º), no Quartel do Comando Geral da Polícia Militar, os respectivos planos de operação para o período carnavalesco.


Reunião realizada na manhã desta terça serviu para apresentação de planejamento
Reunião realizada na manhã desta terça serviu para apresentação de planejamento

Na ocasião, o Comandante Geral do CBMRN, coronel Elizeu Lisboa Dantas, abordou as ações que os Bombeiros irão realizar para diminuir as estatísticas de acidentes e afogamentos no litoral.
Ao todo o Corpo de Bombeiros contará, diariamente, com um efetivo de 125 homens atuando nas áreas de Combate à Incêndio e Salvamentos (Terrestre e Altura), 63 homens no Salvamento Aquático e 10 homens para ações preventivas junto ao Serviço Técnico de Engenharia.

A corporação vai efetivar um total de 20 postos fixos de salvamento aquático nas praias de Touros, Genipabu, Redinha Nova, Redinha Velha, Forte, Praia do Meio, Via Costeira, Ponta Negra, Pirangi, Búzios, Camurupim, Pipa, Tibau do Sul, Macau, Tibau, Guamaré, Lagoa do Apodi, Barragem de Santa Cruz, Açude Itans e Lagoa Pelicano. Haverá ainda fiscalização móvel nas demais praias que não tiverem bases fixas.

Como apoio logístico, os bombeiros disponibilizarão para o Carnaval deste ano 12 embarcações, oito quadricíclos, cinco viaturas de resgate, 13 viaturas de salvamento, oito viaturas de combate à incêndio e cinco viaturas para o serviço técnico de engenharia.

Segundo o comandante do Corpo de Bombeiros, a principal ação da instituição neste carnaval será a prevenção, para isso serão distribuídos panfletos com dicas de segurança contra afogamentos e acidentes domésticos.

“Todo o efetivo do Corpo de Bombeiros, composto por 650 homens, estará de alguma forma empregado no carnaval, seja atuando nas ocorrências ou de sobreaviso. A Defesa Civil também estará em alerta para os fenômenos climáticos afim de se antecipar para qualquer emergência em sua área de atuação. Esperamos que a população se divirta com segurança, no bloco da paz e da alegria. Os bombeiros estarão prontos para agir, mas esperamos que nada aconteça”, disse o coronel Elizeu Dantas.

* Fonte: CBMRN.


Dengue: Notificações triplicaram em 2010



O ano de 2010 apresentou mais que o triplo de notificações de casos de dengue na comparação com 2009. Dados do Ministério da Saúde mostram que foram 999.688 relatos da doença no ano passado contra 323.876 no ano anterior.
A região Sudeste foi a que apresentou o maior número de notificações no ano passado. Foram 473.994 relatos da doença, contra 106.942 no ano anterior.
Na região Sul, o número de relatos passou de 1.653 em 2009 para 42.707. O aumento menos expressivo foi no Nordeste, com 171.779 em 2010 contra 125.124 no ano anterior.
O número de óbitos por conta da dengue mais que dobrou na comparação entre os dois últimos anos. Em 2010, 572 morreram pela doença contra 226 em 2009.
Apenas os Estados de Rio Grande do Sul, Santa Catarina e Sergipe não tiveram mortes no ano passado. São Paulo registrou o maior número de mortes: 136 em 2010, contra apenas 7 em 2009.
Em janeiro deste ano, foram notificados 26.034 relatos da doença no país. A Região Norte aparece na frente com 10.471 notificações. O Sudeste vem em seguida, com 7.094.
O Acre já tem 6.851 diagnósticos iniciais de dengue. Minas Gerais, com 3.058, Goiás, com 2.538 e Espírito Santo, com 2.205, aparecem na sequência.
Ainda em investigação, os óbitos registrados em 2011 por conta da doença chegaram a 12, cinco deles na Região Norte. Casos graves da doença chegaram a 101, com metade deles (51) sendo confirmados no Sudeste.

Redação: Agências de Brasília