18 de jun de 2011

Corpo de Bombeiros de Nova Serrana recebe nova viatura de resgate e combate a incêndio

Desde a semana passada, já está à disposição do 5º Pelotão do Corpo de Bombeiros Militares de Nova Serrana uma nova viatura. Esta, compacta, porém de extrema funcionalidade, tem autonomia para atender tanto ocorrências de resgate como de combate a incêndios.
Em termos técnicos, a nova viatura atende pelo nome de Auto-bomba e Salvamento Pesado (ABS), ou, segundo informações do próprio comandante do pelotão, tenente Ari Queiroga, trata-se de um novo conceito de viatura de empenho múltiplo.
O veículo (adquirido através de verbas oriundas da taxa de incêndio) dono de um projeto tecnológico e de engenharia de ponta foi idealizado para atender de forma objetiva a ocorrências que pedem ações rápidas. Isso porque a nova viatura é pequena compacta, se comparada com os caminhões-bomba convencionais. Mesmo que maior do que as unidades de resgate, o fato de disponibilizar, em único veículo, dispositivos e equipamentos para atender ocorrências variadas, já faz da nova viatura um importante diferencial, que com certeza contribuirá para otimizar o serviço prestado à população.
Aliás, o teste já foi feito e, segundo o comandante, a performance da nova unidade foi acima das expectativas: no quesito agilidade, proporcionada pelo seu tamanho reduzido, ela se saiu muito bem em meio ao trânsito pesado e às ruas estreitas de Nova Serrana.

Veja as características da nova viatura:

- Corpo de bomba montado em chassi;
- Pressão máxima de esguicho de 75 litros d’água e capacidade de tanque de 1.500 litros;
- Facilidade de trânsito no centro da cidade (por ser compacta e ter mais agilidade de locomoção em comparação às outras viaturas auto-bombas);
- Dotada de guincho na parte dianteira, capaz de arrastar até 3.500 quilos;
- Cabine para transporte de até seis bombeiros militares;
- Bom acondicionamento de materiais e equipamentos operacionais;

Corpo de Bombeiros de Nova Serrana recebe nova viatura de resgate e combate a incêndio

Desde a semana passada, já está à disposição do 5º Pelotão do Corpo de Bombeiros Militares de Nova Serrana uma nova viatura. Esta, compacta, porém de extrema funcionalidade, tem autonomia para atender tanto ocorrências de resgate como de combate a incêndios.

Em termos técnicos, a nova viatura atende pelo nome de Auto-bomba e Salvamento Pesado (ABS), ou, segundo informações do próprio comandante do pelotão, tenente Ari Queiroga, trata-se de um novo conceito de viatura de empenho múltiplo.
O veículo (adquirido através de verbas oriundas da taxa de incêndio) dono de um projeto tecnológico e de engenharia de ponta foi idealizado para atender de forma objetiva a ocorrências que pedem ações rápidas. Isso porque a nova viatura é pequena compacta, se comparada com os caminhões-bomba convencionais. Mesmo que maior do que as unidades de resgate, o fato de disponibilizar, em único veículo, dispositivos e equipamentos para atender ocorrências variadas, já faz da nova viatura um importante diferencial, que com certeza contribuirá para otimizar o serviço prestado à população.
Aliás, o teste já foi feito e, segundo o comandante, a performance da nova unidade foi acima das expectativas: no quesito agilidade, proporcionada pelo seu tamanho reduzido, ela se saiu muito bem em meio ao trânsito pesado e às ruas estreitas de Nova Serrana.
Veja as características da nova viatura:

- Corpo de bomba montado em chassi;

- Pressão máxima de esguicho de 75 litros d’água e capacidade de tanque de 1.500 litros;

- Facilidade de trânsito no centro da cidade (por ser compacta e ter mais agilidade de locomoção em comparação às outras viaturas auto-bombas);

- Dotada de guincho na parte dianteira, capaz de arrastar até 3.500 quilos ;

- Cabine para transporte de até seis bombeiros militares;

- Bom acondicionamento de materiais e equipamentos operacionais;


16 de jun de 2011

Confira o número de bombeiros em cada estado do Brasil


16.550 militares, o Corpo de Bombeiros do Rio de Janeiro tem o maior efetivo do Brasil, correspondente a 25% do total no país, que chega a 67.029 pessoas.
- Segundo colocado, São Paulo fica, apesar da população ser bem maior, fica bem atrás do efetivo fluminense, com praticamente a metade do número de militares: 8.597.
Em terceiro lugar vem Minas Gerais (5.446), seguido do Distrito Federal (4.800) e do Pará (3.200).

Confira a lista:

Rio de Janeiro - 16.550
São Paulo – 8597
Minas Gerais – 5466
Distrito Federal – 4800
Pará – 3200
Paraná – 2996
Pernambuco – 2571
Goiás – 2371
Rio Grande do Sul – 2300
Bahia – 2178
Santa Catarina – 2100
Ceará – 1609
Alagoas – 1326
Piauí - 1309
Mato Grosso do Sul – 1186
Paraíba - 1177
Espirito Santo – 1043
Mato Grosso – 993
Amapá - 870
Maranhão – 850
Rio Grande do Norte - 653
Sergipe – 652
Rondônia – 593
Amazonas – 560
Tocantins- 444
Acre – 340
Roraima - 295

15 de jun de 2011

Ipem-AM fiscaliza extintores de incêndio em embarcações

A "Operação Parintins" visa garantir a segurança no que se refere à utilização dos extintores de incêndio, para coibir possíveis irregularidades que possam colocar em risco a segurança do cidadão nas embarcações

Manaus, 15 de Junho de 2011

O Governo do Estado do Amazonas por meio do Instituto de Pesos e Medidas do Amazonas – Ipem/AM inicia nesta quarta-feira (15), no período de 15 a 22 de junho, a "Operação Parintins" nas embarcações.

A ação será realizada nos diversos Portos de Manaus e tem como objetivo verificar se os equipamentos de extintores de incêndio das embarcações estão devidamente certificado pelo Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial - Inmetro; se os mesmos possuem selos de conformidade; se estão no prazo de validade; se o peso corresponde ao declarado no cilindro e se atende os requisitos estabelecidos pelos Regulamentos Técnicos da Qualidade - RTQ´s.

Segundo o diretor presidente do órgão, engenheiro Márcio André Oliveira Brito, o objetivo da operação é garantir a segurança no que se refere à utilização dos extintores de incêndio, para coibir possíveis irregularidades que possam colocar em risco a segurança do cidadão.

Caso haja alguma irregularidade durante a operação, os responsáveis estarão sujeitos a penalidades como: apreensão, interdição, notificação e autuação.



8 de jun de 2011

Praias da zona sul do Rio tiveram dia sem guarda-vidas

Rio de Janeiro

Apesar do Corpo de Bombeiros informar que a rotina nos quartéis está normal, os postos dos gaurda-vidas ficaram fechados hoje (6) nas praias da zona sul da cidade. De Copacabana ao Leblon, os postos estavam sem guarda-vidas, à exceção do Posto 8, em Ipanema, onde havia apenas uma guarda-vida, com uniforme, trabalhando.
Em Ipanema, os postos 7, 9 e 10 estavam sem guarda-vidas e tinham apenas os funcionários da limpeza. No Leblon, o mesmo ocorreu nos postos 11 e 12. Em Copacabana, não havia guarda-vidas nos cinco postos de salvamento de banhistas.
O estudante Guilherme Gomes da Silva, de 19 anos, acha justa a reivindicação por melhores condições de trabalho dos guarda-vidas, mas critica a forma como a paralisação prejudicou os banhistas.
“Eles estão reivindicando melhores salários, desde o momento que não interfiram no serviço deles. Alguns abandonaram os postos e isso não pode acontecer, porque o serviço deles é indispensável”, disse.
“Eles deveriam no mínimo ter bilhete único. Se os deputados e prefeitos ganham o quanto eles ganham, porque não se pode aumentar o salário do bombeiro. Acho que se eles querem fazer greve, não podem deixar o funcionamento dos quartéis parado”, disse a estudante Gabriela Guimarães, de 17 anos.
O dia de hoje foi de céu claro, mas de frio, e poucos banhistas estavam nas praias da zona sul. Apenas os surfistas aproveitaram o mar agitado.

 


3 de jun de 2011

Câmara reconhece a profissão de guarda-vidas

A Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania aprovou nesta terça-feira (31), em caráter conclusivo, o reconhecimento da profissão de guarda-vidas, profissional apto a realizar práticas preventivas e de salvamento em ambientes aquáticos.
São atribuições do guarda-vidas: o salvamento em ambientes aquáticos, nos casos de emergência; e o desenvolvimento de trabalhos preventivos e de educação, a fim de orientar sobre possíveis riscos de afogamentos e acidentes aquáticos.
O relator, deputado Arolde de Oliveira (DEM-RJ), apresentou parecer favorável ao Projeto de Lei 1685/03, da ex-deputada Laura Carneiro, que originalmente previa o reconhecimento da profissão, e também ao substitutivo aprovado pela Comissão de Trabalho, Administração e Serviço Público.
Esse substitutivo é o texto que prevalece na elaboração da redação final do projeto. Se não houver recurso para a votação em Plenário, a proposta deverá seguir para o Senado.
Segundo o texto aprovado, o administrador de estabelecimento com parque aquático ou piscina, com acesso facultado ao público, fica obrigado a contratar esses profissionais para serviços de salvamento aquático.
Para exercer a atividade, o salva-vidas deverá:

- ser maior de 18 anos;
- gozar de plena saúde física e mental;
- possuir conclusão de curso de 1º grau, ou equivalente; e
- estar habilitado em curso de formação profissional específica, ministrado por escola técnica, pública ou privada.
O credenciamento do salva-vidas será revalidado, a cada dois anos, por um órgão, a ser criado, que ficará responsável pela fiscalização da profissão. Esse órgão vai determinar prazo e demais condições para os atuais salva-vidas práticos adequarem sua situação profissional às novas exigências.
Também é prevista uma futura legislação específica para regulamentar a exigência de guarda-vidas em embarcações de transporte de passageiros, incluindo turistas, ou para práticas recreativas.



Bombeiros simulam resgate nas alturas


Sinulação de Resgate

O Subgrupamento de Combate à Incêndio do Rio Grande, realizou um treinamento na tarde de ontem no Porto do Rio Grande, simulando o resgate de uma pessoa trabalhando em altura, que caiu, ficando pendurada e presa pelo cinto de segurança. O treinamento envolveu sete bombeiros trabalhando há 15 metros de altura e uma outra equipe no solo.

O capitão Alonso informa que este tipo de treinamento é muito importante porque em Rio Grande se trabalha muito em altura, por conta de guindastes e outros equipamentos. Citou o caso de um resgate no final do ano passado, quando um trabalhador, atingido por um contêiner, caiu em um porão do porto e foi socorrido pelos bombeiros.

Explica ainda que o para este tipo de resgate, não basta apenas a coragem física. "É preciso também ter preparo físico. E o treinamento serve para que numa situação real o bombeiro possa realizar o salvamento em segurança, que é algo que deve estar em primeiro lugar, para não colocar também a vítima em risco", finaliza o capitão Alonso

Por: Anete Poll

Fotos: Fábio Dutra

Inauguração do Samu reduz raio de ação dos bombeiros

MESTRINEL DIZ QUE ‘MÉDICO É MÉDICO E BOMBEIRO É BOMBEIRO’, EM AUDIÊNCIA PÚBLICA

Na audiência pública realizada pela Comissão de Finanças da Câmara Municipal, na última terça-feira, o secretário de Saúde, Marco Aurélio Mestrinel, confirmou, entre outras informações, que o Samu (Serviço de Atendimento Móvel de Urgência) vai ser inaugurado no próximo dia 22. Porém, a unidade entrará em funcionamento no dia 1º de julho por conta do período de treinamento dos profissionais que vão atuar no serviço.

Em sua fala, Mestrinel deixou claro que a equipe do Samu e integrantes do Corpo de Bombeiros vão atuar em conjunto, mas como atividades bem definidas. “Médico é médico e bombeiro é bombeiro”, comentou o titular da pasta da Saúde.

Atualmente, o Corpo de Bombeiros é responsável pelo atendimento de vítimas de acidentes na cidade através da Unidade de Resgate. Com o Samu, explica o secretário, cada equipe vai assumir o que é da sua competência.
Na prática, Mestrinel explicou que não se pode substituir um médico por bombeiro e vice-versa, ou seja, os integrantes da corporação militar vão atuar em casos de vítimas presas em ferragens, em locais de difícil acesso, entre outras situações.

“Mas, a partir do momento em que o Samu estiver funcionando, caberá à equipe médica dar todo o atendimento que a vítima de acidente precisa no que diz respeito aos primeiros procedimentos de socorros até o encaminhamento à unidade hospitalar”, apontou.

Mestrinel explicou ainda que o trabalho da Polícia Militar completa a ação nesse setor de socorro imediato às vítimas. “Se tivermos um paciente com problemas psicológicos, precisaremos do apoio da PM. Não é o médico que vai entrar em ação no primeiro momento”, frisou.
Na audiência pública, Sérgio Carnevale (DEM) demonstrou preocupação com o assunto. A seu ver, a redução do raio de ação pode levar à diminuição do número de bombeiros na cidade. “Fico preocupado. O Estado é miserável com Rio Claro. Não podemos perder bombeiros, já que estamos lutando para instalar o segundo posto na zona sul da cidade”, argumentou.
O secretário Mestrinel descartou a possibilidade do trabalho dos bombeiros ter a importância reduzida na cidade com a chegada do Samu. “Não é nada disso. Apenas estou dizendo que as ações serão melhor organizadas com cada equipe executando a sua tarefa”, finalizou.

Fonte:



Sempre unidos para salvar!

HERÓIS DA VIDA REAL